Poema Pascoal

 

Eis, hoje, algo diferente: Um poema de minha autoria, que comecei a escrever ontem e concluí hoje. Um “Poema Pascoal”:

 

Meia-noite se avizinha, palavras são escritas em sangue;

À mente, tornam horrores; a noite traz trêmulas lembranças.

Lembra-te das tuas quimeras neste dia, das seis feridas no teu ser;

Caminha, hoje, até este sítio esculpido em horrores,

Estas rochas em ossos e crânio, o sepulcro de tuas trevas de dentro.

 
Para ler mais, clique aqui.

Anúncios

Espanta-me [Parte II]

Fonte: Arquivo pessoal. Fotografia de minha autoria.

Fonte: Arquivo pessoal. Fotografia de minha autoria.

 

Espanto-me. Há incoerências ontológicas e incoerências práticas. Um véu negro repousando sobre os olhos, um coração embriagado e enganoso, uma boca que proclama verdades e uma luva que luta contra elas em um mesmo ser. Espanto-me, uma flor nasce seca, e o mel faz-se fel durante a digestão. Espanto-me, uma luz é ofuscada por pensamentos infantis ao proveito do próprio do maturo; uma luz é ofuscada pelo palpitar arrítmico de um coração embebido.

Para ler mais, clique aqui.

Espanta-me [Parte I]

 

Espanto-me. Ouço, vejo, leio e espanto-me ainda mais. Incoerências ontológicas e incoerências de cosmovisões. Espanta-me tanta incoerência nas palavras, e sãs mentes aderindo a tais. Espanta-me a incoerência das palavras e dos atos, e o ato mata a palavra – Cuidado! Vemos inconsistências nas ideias e nos atos de outrem, e, quando públicas e revoltosas, criticamo-las. Mas a mordaz incoerência ontológica se nos aproxima, então, cegam-se os olhos, tapam-se os ouvidos, e gritos de polêmicas, falácias e altercações sem fim são proferidos. Espanto-me…

Para ler mais, clique aqui.

Este Universo Que Nos Encanta

 

Não somos nada, somos apenas pó; do barro fomos formados, e na roda do oleiro ainda giramos; moldados, purificados para tornarmo-nos perfeitos vasos. Somos quais gotículas de água em meio à tempestade; como poeira na imensidão do universo, nós somos. E o universo… Quem nunca se pegou admirando as estrelas no céu noturno, imaginando se há finitude ou infinitude além deste negro céu que os olhos não alcançam?

Para ler mais, clique aqui.