Árvore ao Vento Tempestuoso

 

Contemplo uma árvore resistindo inexoravelmente ao vento tempestuoso. Ela é golpeada; torce-se com a força do vento, ela sofre; algumas de suas folhas são levadas, podem até galhos serem levados, ou mesmo não sobrar nada além de sua madeira; mas resiste inexoravelmente.

Ó, quanto sofre cada parte de uma árvore chacoalhada em tempo tempestuoso! Mas esta árvore resiste, suas raízes estão bem firmadas, profundas. Sofreu ela, em perseverança, para aprofundar-se no solo, lutou, lutou, e firmou sólidas raízes; resistiu à própria fraqueza que parecia lhe permitir somente as rasas e frágeis areias. Aprofundou-se, com lutas, na rocha.
Para ler mais, clique aqui.

Saudosismo Prosaico e a Grande Misericórdia

 

Há tempos atrás, quando o computador era impopular, escritores e poetas criavam com o papel e o lápis, com a máquina de escrever; eram, diria, tempos mais poéticos (verdade é tal dito que, muitos, ainda hoje, escrevem a punho), apartado da insensibilidade da caligrafia automática, programada, sem a pressão da mão emocionada, sem o suor da aprendizagem e do trabalho marcado na folha do papel.
Para ler mais, clique aqui.