Pedregoso Coração

Dura rocha é o coração do homem, tão dura quanto diamante lapidado, tão irregular quanto aquele que não foi. Somos homens obstinados, frios como um bloco de gelo. Há aqueles que dizem que são bons, mas, é fato, ninguém é bom; olhe o jornal, nos crimes mais bárbaros, ei neles a vileza do coração humano.
Para ler mais, clique aqui.

Acalentando Frias Linhas

As palavras fugiram-me. Só penso. Temo. Penso no que devo melhorar, avalio-me. Temo faltar com as palavras, ser enganoso, temo o que, agora, me ocorre, a fuga das palavras; temo a má compreensão, temo a insinceridade em mim, temo o falar excessivo, temo a insensibilidade. Penso que poderia falar mais.
Para ler mais, clique aqui.

Árvore Seca em Terreno Alagado

Na estrada, há alguns dias, em viagem, recordei-me de uma viagem, ao mesmo destino, que, outrora, fizera. Eram época de grandes chuvas, verdadeiras torrentes caindo do céu; estava viajando em um dia sem chuvas, deparo-me, então, a beira da estrada, com um cenário, para mim, incomum: uma árvore totalmente seca em meio a um terreno totalmente alagado.
Para ler mais, clique aqui.

O Mar, a Raiz Má, o Óleo Tóxico e o Monstro: Ser e Pecado

 

Da janela do meu quarto posso ver o mar. Deparo-me, às vezes, com os braços apoiados na janela e olhos fitos nessa imensidão hora verde, hora azul, refletindo, pensando, planejando. Lembrei-me, então, hoje, fitando esse belo mar, dos livros de história. Lembrei-me que, em séculos passados, homens saiam a navegar, e eram homens temerosos e supersticiosos, acreditavam que o mar guardava perigos e males quiméricos.
Para ler mais, clique aqui.

Marionetes e Folias

 

Há muito não vejo uma apresentação de teatro de marionetes, mas é bastante interessante ver aqueles bonecos, de feições sólidas e polidas, uma história engraçada e a impressão de que estão livres e vivos.
Para ler mais, clique aqui.

Vejo, Escrevo, Reflito, Admiro…

Palavras, costumeiramente, podem ser expressões do inexpressível, um grito silencioso em um mundo dessecado; podem ser um grito de humanidade para uma humanidade desumana, um lampejo de razão ante a uma cegueira acéfala. Palavras são usadas para a mentira, para a ilusão, palavras são usadas como megafone para gritar verdades que ouvidos sadios na audição e doentes no ser negam-se ouvir. Palavras são usadas para expressar sentimentos de bem ou de mal; palavras são usadas para movimentar, palavras são um meio para a ação. Palavras são risos, palavras são lágrimas, palavras são olhares, palavras são gestos, palavras são abraços, palavras podem ser poéticas, e atitudes são poéticas. Uma prosa, uma poesia, ou uma palavra apenas – palavra que impacte – podem gerar reflexão.
Para ler mais, clique aqui.

Ontologia e um Baile de Máscaras

Apesar do título, não sou nenhum filósofo, longe disso. Mas refletir e gerar reflexões são algo bom, e, isso, quero aqui fazer. Ontologia significa estudo do ser; se queremos reflexões, devemos começar explorando nossas próprias questões, paradoxos, falhas, tudo que seja inerente à humanidade.
Para ler mais, clique aqui.

Ciência e Cristocentrismo

Há alguns dias me aventurei a falar sobre ciência e fé. Adentrei em certas questões sem esmiuçá-las. Não desprezo o conhecimento científico, mas alguns o endeusam, e fogem do propósito primário para o qual a ciência e o método científico foram desenvolvidos.
Para ler mais, clique aqui.

Mistérios, Ciência e Fé

Há questões em que, às vezes, começamos a refletir que, parecem-nos, não têm respostas, questões que nos levam a um emaranhado de outras questões e dúvidas. Há questões que nos colocamos cujas respostas transcendem a nossa finitude.
Para ler mais, clique aqui.