Jogo de Palavras: Motivações

A primeira palavra é a mais difícil, A primeira frase é mais difícil, mais trabalhosa, mais suada. Atitudes, às vezes, são difíceis – amar, perdoar, compadecer-se, viver dignamente. Há questões difíceis de expressar em textos, também difíceis de expressar em vida, difíceis de expressar no falar.
Para ler mais, clique aqui.

Tesouros Efêmeros, Vazio Existencial e o Tesouro Eterno

 

Em algumas ocasiões, costumamos ouvir das pessoas frases sonhadoras como “se eu tivesse tal objeto, não precisaria de nada mais”, e, normalmente, são sonhos consumistas, coisas que queremos para nossa satisfação, para preencher algum vazio, e as entesouramos. Colocamos o alcançá-las como objetivo de nossa existência e, se as alcançamos, vemos que ainda falta algo em nós, nos frustramos, e passamos a buscar mais e mais, viciamo-nos nas coisas, e continuamos vagos.
Para ler mais, clique aqui.

Homens Mortos, A Cruz, e a Eternidade

Neste planeta, chamado Terra, jazem, vivem e andam homens mortos. Estes mortos que vivem e andam são dois: aqueles sem rumo, cheios de questões, ansiosos e desesperados; e aqueles que andam nesta Terra sabendo que não pertencem a este lugar, são peregrinos, se desprendem da ansiedade, ainda há questões em suas mentes, mas são esperançosos e têm um rumo, eles têm os olhos fitos na eternidade.
Para ler mais, clique aqui.

Céu Enegrecido

 

Um dia chuvoso de céu enegrecido. Os raios de sol só transpõem as negras nuvens o suficiente para saber-se que é dia. Um tempo frio. Poderia ser o cenário de um daqueles filmes dramáticos, de uma imagem descolorida, acinzentada. Sim, imaginemos assim. Mas esse cenário acinzentado como a visão de um mundo decaído, um mundo perverso, a nossa visão. E o céu enegrecido, aquilo que carregamos dentro de nós, a nossa natureza, que, embora, perversa, deixa passar uma leve claridade que dá indícios de quem éramos, de quem deveríamos ser, e faz-nos almejar traspassar este negro e denso céu de nossa decadência e encontrar a luz.
Para ler mais, clique aqui.

Fé, Verdade e os Filmes de Cavaleiros

 

Estava assistindo hoje um filme já antigo, daqueles filmes que contam histórias de homens medievais. Esses filmes são interessantes a ênfase na honradez, na defesa da honra e daquilo em que acreditavam, daquilo que era verdade para eles.
Para ler mais, clique aqui.

Caminhos

 

Tenho certo gosto por falar com realismo sobre muitas coisas, como sobre o mundo e a humanidade. Admiro aqueles que retratam com aparente pessimismo a nossa situação e a situação do mundo em que vivemos, admiro igualmente aqueles que apontam a esperança, admiro, maiormente, aqueles que fazem ambos.
Para ler mais, clique aqui.

Agradecimentos e Louvores

A temática é propícia: Agradecimento. Ontem foi um dia muito especial, meu aniversário, isso torna o dia um dia de alegria, de comemoração, de lembranças, memórias, de agradecimento, e louvor. Quero louvar com Davi:
Para ler mais, clique aqui.

Comunhão

 

Diante de algumas conversas e mais uma vez lendo T. S. Eliot, me deparo com o tema “Comunhão” e a seguinte citação:

“Que vida tendes se não viveis em comunhão?
Não há vida que floresça sem comunidade,
E comunidade não há que perdure sem louvar a Deus.” (De “A Rocha”)
Para ler mais, clique aqui.

O “nada é para sempre” e a Eternidade

Vi uma frase que dizia que “nada é para sempre”, e comecei a conversar sobre isso. Resolvi, então, que deveria escrever sobre. Será, realmente, que nada é para sempre? – Indubitavelmente, isso não é um fato. Acredito na efemeridade das coisas, mas nessa efemeridade absoluta, não creio.
Para ler mais, clique aqui.

O Arco que Toca as Cordas do Nosso Coração

“Há cordas nos corações dos mais cruéis que não se deixam tocar sem emoção. Mesmo para aqueles que estão completamente depravados e para quem a vida e a morte são igualmente objeto de gracejos, há questões com que não se pode brincar.”

(Trecho de “A Máscara da Morte Vermelha” de Edgar Allan Poe, na tradução de Luís Varela Pinto)
Para ler mais, clique aqui.